Foto: Lucimar do Carmo
Edição desenvolvida recebeu prêmio de educação histórica.

Crianças de escolas públicas da região de Curitiba estão aprendendo a pensar sobre o passado e desenvolver uma visão crítica sobre a história. A partir do repertório pessoal e documentos, estão descobrindo como se formou a história da sua localidade, estado ou País, bem como da humanidade. O trabalho faz parte do projeto ?Recriando histórias?, desenvolvido desde 1996 através de parceiras entre prefeituras e a Universidade Federal do Paraná (UFPR).

O trabalho começa com uma gincana, quando os alunos são desafiados pelos professores a trazerem de casa para a escola uma série de materiais que pertencem ao arquivo familiar, como objetos, fotos, comprovantes de compras, certidões, discos, roupas ou revistas antigas. ?Nessa fase as crianças passam pelo primeiro processo da alfabetização histórica, pois aprendem a reconhecer e valorizar o documento como um elemento do patrimônio cultural individual e coletivo?, disse a professora e pesquisadora do Programa de Pós-graduação da UFPR, Maria Auxiliadora Schmidt. Em seguida, dentro do conteúdo de aula, esses materiais são aproveitados para descobrir a história do meio onde estão inseridos.

Segundo a professora, o valor afetivo que as crianças tem com esses materiais acabam despertando o interesse pela pesquisa, sendo que o objetivo principal é fazer com eles vão ao passado pelas evidências, e não pelas interpretações de autoridades. ?A história que nos é passada vem de autoridades, seja ela um professor, um político ou a imprensa. Porém, não passa de um interpretação de vestígios conforme interesses pessoais, pois a história verdadeira é aquela que nós construímos?, comentou. Com esse trabalho, diz Maria Auxiliadora, as crianças passam a ter uma consciência crítica, e dificilmente aceitarão a primeira versão dos fatos.

Tudo o que é trazido e pesquisado pelas crianças acaba sendo compilado em um livro, que serve de fonte de pesquisa para a escola. A edição do ano passado, ?Recriando histórias de Campina Grande do Sul?, acabou sendo premiado como o melhor projeto na área de educação histórica pela Associação Heirnet – instituição internacional que trabalha em diversos países estimulando a leitura e o ensino da história. Em 2007 o mesmo projeto será desenvolvido em Araucária.