enkontra.com
Fechar busca

Paraná

Acidente aéreo mata Martinez

  • Por Jornalista Externo
O local da queda é de difícil acesso.

Equipes de resgate da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros localizaram às 13h40 de ontem os corpos do presidente nacional do PTB, José Carlos Martinez, dos amigos dele João Luiz Goebel e André Surugi e do piloto Cláudio Luiz da Luz, vítimas de um acidente com um monomotor do deputado, em que viajavam de Curitiba para o litoral de Santa Catarina, na manhã de sábado. A aeronave caiu entre os morros do Agudinho e do Rolado, localidade de Cachoeira do Rolado, a cerca de dez quilômetros em linha reta de Guaratuba. O resgate dos corpos e dos destroços do avião, cravados no pé da montanha, foi suspenso às 16h de ontem e recomeça às 8h de hoje.

O avião que transportava o deputado, um monomotor modelo MT7, prefixo PT-OTR, decolou às 9h23 de sábado do Aeroporto do Bacacheri e tinha como destino o Aeroporto de Navegantes (SC). Martinez, seu assessor Goebel e o empresário Surugi viajavam a lazer e pretendiam passar o fim de semana pescando no balneário de Piçarras, também em Santa Catarina. O aparelho perdeu contato com a torre de comando quinze minutos após a decolagem, quando estava numa altitude de 2.500 metros.

Causas

Segundo informações do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) de Brasília, as causas do acidente ainda não foram identificadas. Análise do caso e um exame técnico devem ser realizados no avião pelo Serviço Regional de Aviação Civil 5 (Serac-5), em Porto Alegre (RS). O laudo sobre o acidente deve ser emitido dentro de noventa dias.

Sabe-se que o monomotor era usado e havia sido adquirido recentemente pela família de Martinez como parte do pagamento de um negócio. Como é comum em aeronaves de pequeno porte, a que transportava o deputado não possuía caixa preta.

Resgate

Por volta das 14h45 teve início a operação de resgate dos corpos, com o auxílio de uma equipe de paramédicos. Porém, o tempo fechado, com neblina, estava dificultando os trabalhos. Segundo o tenente-coronel Paulo Sérgio Mebs, do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) de Brasília, o avião está enterrado no solo e os corpos estão dentro da aeronave. “Um grupo de resgate chegou ao local, mas constatou a necessidade de desenterrar o avião antes da retirada dos corpos, o que pode levar mais tempo que o previsto”, explicou Mebs. A retirada do avião envolverá quatro helicópteros da FAB e do Parasar (grupo de resgate ligado à Força Aérea Brasileira). Existe a possibilidade de que o trabalho leve até dois dias.

Primeiro vôo no aparelho

Amigos e familiares do deputado federal José Carlos Martinez se reuniram ontem na sede da rede de TV CNT. Pelos corredores e estúdios o clima era de tristeza e todos lamentavam o acidente. Bastante emocionado, o irmão de José Carlos e presidente da CNT, Flávio Martinez, deu entrevista coletiva à imprensa e informou que o corpo do deputado será cremado. “O horário do velório vai depender da continuidade dos trabalhos de resgate dos corpos, que foram suspensos no final da tarde de hoje (ontem)”, declarou.

Flávio disse não acreditar que o avião monomotor no qual seu irmão viajava tenha partido do Aeroporto do Bacacheri sem plano de vôo. “O piloto Cláudio Luiz da Luz trabalhava para a família há cerca de três anos e era bastante cuidadoso. Há suspeitas que ele tenha alterado o plano de vôo, mas isto ainda não foi confirmado”, afirmou. “Era a primeira vez que Martinez viajava no aparelho, mas Cláudio Luiz já conhecia a aeronave.”

Esperança

O presidente do diretório estadual do PTB, Íris Simões, que quase todo fim de semana jantava na casa de Martinez, definiu o companheiro de partido como um político sempre disposto a fazer o bem e ajudar ao próximo. “Martinez era uma pessoa alegre, que se mantinha firme mesmo nos momentos mais difíceis de sua vida política. Seu sonho era fazer do PTB um partido coerente e unido, onde todos poderiam ter vez e voz.”

Já o secretário geral do PTB nacional, Luiz Antônio Fleury Filho, revelou que, até o início da tarde de ontem, ainda tinha esperanças que Martinez fosse encontrado com vida. “Hoje (ontem) foi um dia de muita tristeza. Infelizmente, minhas esperanças de que Martinez pudesse ter sobrevivido não se concretizaram”, disse. “Nos últimos anos, o PTB cresceu bastante e, em grande parte, graças à garra e o trabalho de José Carlos. Lamento que, daqui para frente, ele não possa vir a colher os frutos do trabalho que desenvolveu.”

Nos últimos meses, Martinez estava empenhado na definição dos candidatos a prefeito das principais cidades do Paraná para as eleições do próximo ano. Seu suplente na Câmara dos Deputados é Airton Roveda.

Morador ajuda nas buscas

A interferência de um morador da zona de mata fechada em que caiu o monomotor do deputado José Carlos Martinez colaborou bastante para a localização dos corpos. Valdecir Feliciano, funcionário do Iate Clube de Guaratuba, indicou às equipes de resgate o local em que acreditava ter ocorrido o acidente e participou diretamente da operação.

Com a anuência do comando do Corpo de Bombeiros, Valdecir acompanhou as buscas do interior do helicóptero Falcão II, do governo do Estado – uma das cinco aeronaves que participaram da operação (ao lado de duas da Força Aérea Brasileira, outra do governo paranaense e uma quinta do governo de Santa Catarina). A procura se concentrou nas imediações do Morro do Rolado, em Guaratuba, ponto em que estava o monomotor quando houve o último contato com a torre de comando do Aeroporto do Bacacheri, na manhã de sábado.

Persistência

O avião foi encontrado a apenas 900 metros de distância, pelo solo, daquele ponto. Mas, a vegetação fechada quase impediu a visualização, já que o monomotor ficou enterrado no morro e nenhuma clareira foi aberta. “Passamos cinco ou seis vezes pelo local até avistarmos o pequeno ponto branco no meio da mata. Não fosse a insistência de Valdecir, talvez não tivéssemos encontrado hoje (ontem)”, disse o piloto do Falcão II, Vanderlei Dull.

Valdecir disse que baseou as orientações no relato de seu pai, que escutou uma forte explosão perto das 9h30 de sábado, a cinco quilômetros do local do acidente, e indicou o local. “Nos aproximamos bastante e pudemos ver a parte da asa destruída”, falou Valdecir. O helicóptero não tinha condições de pousar na área.

Após a localização aérea dos destroços, às 13h40, a equipe de 13 homens do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e três voluntários com experiência na região foi comunicada pelo rádio e chegou até o avião quinze minutos mais tarde. O grupo iniciara a busca terrestre na mata seis horas antes, baseada apenas no local da perda de contato entre aeronave e torre de comando.

Irreconhecível

O chefe da equipe terrestre, tenente Durval Tavares Júnior, lotado da Promotoria de Investigação Criminal (PIC) e que foi designado por conhecer bem a região, disse que o impacto fez o avião penetrar quatro metros no solo barrento. Segundo o oficial, os corpos ficaram irreconhecíveis.

Com base apenas na experiência como piloto do governo do Estado, o comandante Dull acredita em duas hipóteses para o acidente: pane no motor ou desorientação do piloto Cláudio Luiz da Luz. O comandante levou pessoalmente no Falcão II o governador Roberto Requião e o chefe da Casa Militar, Anselmo Oliveira, da Ilha das Cobras ao local do desastre. Segundo Dull, a altitude do avião no instante do último contato com a torre do Bacacheri (2.500 metros) era normal. O ponto do impacto não ultrapassava 300 metros acima do nível do mar.

Deputado no quarto mandato

São Paulo – Aos 55 anos, o deputado e presidente do PTB José Carlos Martinez estava no quarto mandato na Câmara. Nascido em São Paulo, começou a carreira política em Curitiba em 1982 no PDS e depois reelegeu-se já pelo PMDB. Em 1989, foi o primeiro deputado federal a filiar-se ao PRN do então candidato à Presidência Fernando Collor. Martinez disputou o governo do Paraná pela legenda, mas perdeu o segundo turno para o peemedebista Roberto Requião, hoje governador.

Ao lado do irmão Flávio, Martinez era também empresário da comunicação. Criou uma rede de TV no Paraná nos anos 80. A empresa familiar cresceu e se transformou na Rede OM, que na época foi alvo da CPI do Caso Paulo César Farias, tesoureiro da campanha de Collor. Em 92, Martinez disse que havia recebido empréstimo de PC para comprar canais de TV para formar a rede, mas que tudo foi lícito. Depois de reformulada, a rede de TV da família Martinez passou a ser a CNT.

Constrangimento

Na presidência do PTB há 11 anos, o deputado foi coordenador da campanha do candidato derrotado à Presidência Ciro Gomes (PPS), no ano passado.

Em março, Martinez passou por uma situação constrangedora quando descobriu que o Rolex, com que havia presenteado o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, era uma imitação. Dirceu chegou a doar o presente ao programa Fome Zero, porque autoridades não podem ganhar objetos com valor superior a R$ 100. Mas na avaliação, técnicos da Caixa Econômica Federal descobriram que o relógio não era verdadeiro.

Casado com Maria Beatriz, Martinez deixa os filhos Oscar, Mônica, Rodrigo e Priscila.

Ministro aponta os erros

São Paulo – Ontem de manhã, antes de os corpos serem localizados, o ministro da Defesa, José Viegas Filho (foto), fez duras críticas ao argumentar que o acidente poderia ter sido evitado. Segundo o ministro, o nível de informação a respeito do vôo do monomotor de Martinez, que saiu Curitiba às 9h23 em direção a Navegantes, no litoral de Santa Catarina, era mínimo, pois não havia plano de vôo.

“Isso não se faz, é uma temeridade. Muitas vezes um transporte ou um divertimento são transformados em desastre”, advertiu.

Viegas disse esperar que o episódio sirva de exemplo, “para que ninguém repita os erros tão freqüentemente cometidos pelos pilotos particulares, de saírem aventureiramente pelo espaço, sem plano de vôo e sem qualquer coordenação”. “Isso dificulta enormemente os esforços que teriam que ser feitos neste caso, para a recuperação do avião”, acusou o ministro.

Decretado luto por três dias

O governador Roberto Requião decretou luto oficial por três dias pela morte do deputado federal José Carlos Martinez. O corpo do deputado será velado na Assembléia Legislativa. “O presidente do PTB era hoje uma das figuras políticas mais importantes do nosso Estado e do nosso País”, disse o governador em nota oficial.

No sábado, assim que Requião (foto) tomou conhecimento do desaparecimento do avião, disponibilizou dois helicópteros para sobrevoar a área, enquanto, por terra, equipes do Corpo de Bombeiros e Polícia Florestal vasculhavam a região. Ontem pela manhã, os helicópteros voltaram às buscas e foram reforçadas as equipes em terra. O governador Requião também sobrevoou a área do acidente.

Segundo o governador, sob a liderança do deputado Martinez, o PTB voltou a ocupar espaço importante na política nacional. “Nesses últimos anos, o deputado Martinez destacou-se pela sua capacidade de conciliar, de dialogar e de articular”, declarou.

Genoino lamenta a perda

Brasília ? O presidente do PT, José Genoino (foto), lamentou a morte de Martinez . “É uma grande perda para a Câmara dos Deputados, pois ele era um parlamentar experiente, e uma perda para o PT e para o governo”, disse. Aliado do Palácio do Planalto, Martinez vinha desempenhando papel importante ao ajudar na tramitação das matérias de interesse do governo no Congresso, destacou Genoino. “Estávamos tendo ótimo relacionamento, e ele sempre foi muito solidário e leal ao governo, desde o segundo turno das eleições de 2002”, disse.

Genoino lembrou que o PT e o PTB, por meio de Martinez, já estavam começando a acertar as alianças para as eleições municipais. “Ele vai fazer muita falta”, resumiu.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas