O técnico da seleção masculina de vôlei da Polônia, Raúl Lozano, parecia uma criança ao final da partida contra a Bulgária, que classificou a equipe para a decisão do Mundial. O espanhol invadiu a quadra, deu inúmeros pulos e abraçou seus jogadores. "É um sonho do qual não quero acordar", comemorou

É a segunda vez que o time do Leste Europeu chega à decisão do Mundial. Em 1974, a Polônia foi campeã ao bater a União Soviética na edição disputada no México. "Agora vou desfrutar desse momento, para só depois pensar no Brasil. São os atuais campeões do mundo e olímpicos e isso diz tudo. Será muito difícil batê-los, mas tentaremos até o final", continuou Lozano

O treinador, no entanto, criticou a atuação dos jogadores. "Houve muita tensão e erros por parte das duas equipes, mas é lógico que é uma semifinal de Mundial e muita coisa está em jogo. Talvez por nossa falta de experiência, cometemos erros gigantescos no ataque e na defesa, mas felizmente soubemos reagir a tempo e levar o jogo ao nosso estilo, que é o da técnica", analisou.

Lozano foi só elogios ao levantador reserva Plinski, que entrou durante o jogo e foi decisivo para a vitória. "Ele fez uma partida excepcional, graças a ele pudemos mudar a situação e ganhar.