O decreto legislativo que determina o fim do pacto de acionistas da Sanepar será votado nesta quarta-feira (14), na Assembléia Legislativa do Paraná. A matéria, que tramita em regime de urgência desde o dia 31 de agosto, já constava da pauta de votação desta terça-feira (13), mas deixou de ser votada em plenário porque o deputado Luiz Carlos Martins pediu para analisar o documento.

Para evitar que o projeto seja adiado por mais uma semana, o líder do Governo na Assembléia, deputado Dobrandino da Silva (PMDB), já protocolou requerimento para transformar o plenário em Comissão Geral, no qual os deputados presentes na sessão é que votam pela legalidade da matéria, independente do parecer da CCJ.

O deputado José Maria Ferreira (PMDB), salientou a urgência e a importância da matéria para o Estado do Paraná já que a empresa detentora da minoria das ações tenta retomar o controle da Companhia na Justiça e solicitou que Martins reconsiderasse seu pedido de vistas, mas o deputado foi enfático em negar.

O pacto de acionistas delegou a administração da Sanepar ao sócio minoritário, porém, em 2003, o governo do Estado conseguiu retomar o controle da empresa por ordem judicial. De acordo com o presidente da Sanepar, Stênio Jacob, ?é muito importante que a Assembléia Legislativa vote favoravelmente este decreto, pois ele deixa clara a posição do governador Requião ? assumida desde 2003 ? que é delegar o comando da Sanepar ao acionista majoritário, que é o governo do Estado?.

Stênio explicou que o governo espera que a Assembléia Legislativa se torne avalista de uma decisão que legitima os interesses do Paraná. ?Os interesses públicos devem estar acima dos interesses individuais e certamente os deputados vão votar pelo fim de um pacto de acionistas que não foi bom para a população paranaense?, comentou.