O chileno Maurício Norambuena, condenado a 30 anos de prisão pelo seqüestro do publicitário Washington Olivetto em 2001, só será extraditado após cumprir a pena no Brasil, afirmou hoje, em São Paulo, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos.

O Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu o pedido de extradição, feito pelo governo do Chile, na última quinta-feira, por unanimidade. ?É uma decisão do Supremo, não se discute. Tem que ser cumprida, mas em termos. O presidente não pretende extraditá-lo ? e essa é uma palavra oficial do governo ? antes que ele cumpra a pena aqui. Ele foi condenado a uma pena, se não me engano, de trinta anos. Vai cumprir a pena aqui e depois será extraditado?, afirmou o ministro.

?A decisão do Supremo entrega ao presidente o arbítrio para fazer (a extradição) antes ou depois. O presidente pode, como exceção, extraditá-lo antes de terminar a pena e ele não pretende (fazer isso)?, acrescentou.