O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, abriu o túmulo de seu ídolo, Simón Bolívar, para analisar as suspeitas de crime na morte do herói da independência sul-americana quase de dois séculos atrás.

Chávez anunciou a exumação dos restos mortais de Bolívar na madrugada de hoje, dizendo que chorou de emoção ao ver o “glorioso esqueleto” do homem que ele diz inspirar sua revolução bolivariana.

Embora historiadores digam que está confirmado que Bolívar morreu de tuberculose, em 1830, Chávez tem outra teoria e suspeita que Bolívar foi assassinado, mesmo que possa ser impossível provar tal desconfiança. A procuradora-geral Luisa Ortega Diaz disse que mais de 50 especialistas e outros profissionais – de investigadores profissionais e patologistas – estão envolvidos no exame dos restos mortais de Bolívar.

Pouco depois da meia-noite, Chávez declarou no seu perfil do Twitter que viveu “momentos impressionantes”. “Vimos os restos mortais do grande Bolívar!”. O presidente geralmente discursa sob o retrato do “Libertador” e cita as suas frases. Chávez também renomeou o país como República Bolivariana da Venezuela e diz que está criando um sistema socialista baseado nas ideias de Bolívar.