O Reino Unido reforçará suas forças de contraterrorismo, incluindo a contratação de mais 1.900 funcionários de inteligência, e ampliará a segurança em sua aviação, para combater as ameaças representadas pelo grupo militante Estado Islâmico, após a descoberta de planos terroristas contra o Reino Unido e os ataques na França, na Tunísia e em outras nações, disse o governo de Londres nesta segunda-feira.

O governo do primeiro-ministro David Cameron já havia anunciado que estabelecera um fundo especial de 1,5 bilhão de libras (US$ 2,28 bilhões) anuais até por volta de 2020, para fornecer recursos extras para os militares e a inteligência, mas ainda não tinha detalhes sobre como o dinheiro será alocado.

O primeiro-ministro quer dobrar o gasto do governo em segurança no setor de aviação ao longo dos próximos cinco anos, para aumentar o número de especialistas que podem fornecer avaliações de aeroportos pelo mundo, mais treinamento e equipamento para outros países, além de reforçar a tecnologia para detectar componentes suspeitos, segundo o governo. O país também realizará uma rápida revisão sobre a segurança em vários aeroportos pelo mundo.

Cameron disse em comunicado que estava determinado a priorizar recursos para combater a ameaça terrorista. Em entrevista à rádio BBC mais cedo nesta segunda-feira, o primeiro-ministro disse que os serviços de segurança do Reino Unido preveniram sete ataques terroristas nos últimos seis meses. Fonte: Dow Jones Newswires.