Sede da ONU, em Nova Iorque.

A Organização das Nações Unidas (ONU) foi criada logo após a Segunda Guerra Mundial, com o objetivo de manter a paz e a segurança no mundo e ajudar no desenvolvimento de todos os países, estimulando o progresso social e a defesa dos direitos humanos.

A expressão Nações Unidas foi utilizada, pela primeira vez, pelo então presidente dos Estados Unidos, Franklin Delano Roosevelt (1882-1945), em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, para definir as 26 nações que queriam continuar lutando contra os países do Eixo (Alemanha, Japão e Itália). Dois anos depois, líderes da China, União Soviética, Reino Unido e Estados Unidos elaboraram uma proposta de estatuto para uma organização internacional de países.

No dia 24 de outubro de 1945, foi ratificada a Carta das Nações Unidas por 51 países. O objetivo do documento é conseguir a cooperação internacional para resolver problemas de caráter econômico, social, cultural ou humanitário. Hoje, a Organização é composta por 191 países membros.

Para alcançar as metas, a ONU investe US$ 25 bilhões por ano em países em desenvolvimento, sob a forma de empréstimos ou de doações. Os recursos se destinam, por exemplo, à proteção de refugiados, ao combate a doenças, aumento da produção de alimentos, recuperação econômica e estabilização dos mercados financeiros. A instituição também ajuda a reforçar o regime democrático em várias regiões, como o Iraque e o Haiti. Nestes 59 anos, a ONU já apoiou mais de 70 processos de eleições nacionais.

As decisões da ONU são tomadas pelo Conselho de Segurança, formado por 15 países, dez rotativos e cinco permanentes. O Brasil pleiteia ocupar um lugar no grupo dos países permanentes, formado por Estados Unidos, China, França, Reino Unido e Rússia. ?O momento é propício. O Brasil defende o fortalecimento da organização e a diplomacia brasileira tem se empenhado para isso?, afirma a chefe das Nações Unidas do Itamaraty, Glivânia Maria de Oliveira.