A Itália e a França pediram hoje que a comunidade internacional pare de comprar petróleo do governante líbio Muamar Kadafi, além de fazerem um apelo aos operadores do mercado petrolífero para que não atuem com petróleo produzido do regime líbio, informa a agência France Presse.

“A Itália e a França não aceitarão hidrocarbonetos vendidos por Kadafi e seu regime”, diz um comunicado comum emitido após a reunião entre o presidente francês Nicolas Sarkozy e o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi. “Nós instamos a todos os países e a todos os operadores do mercado de petróleo que rejeitem qualquer tipo de comércio ou transporte de hidrocarbonetos que poderiam beneficiar o regime de Kadafi”.

O comunicado também pede aos países que “interrompam embarques de petróleo ou de produtos refinados que poderiam ajudar a ataques contra a população” da Líbia. No começo de maio, Roma deverá hospedar um encontro internacional sobre a Líbia, o qual também discutirá maneiras de auxiliar as vendas de petróleo do Leste da Líbia, sob controle dos insurgentes.

A União Europeia, em abril, incluiu 26 empresas à sua lista de sanções contra a Líbia, em uma medida que a Alemanha afirmou ser um embargo “de facto” ao petróleo e gás natural líbio. Essas companhias são acusadas de financiar o regime de Kadafi. As informações são da Dow Jones.