O Fundo Monetário Internacional (FMI) afirmou que a economia da Turquia vai continuar crescendo, mas a um ritmo moderado, e destacou que a taxa de inflação no país vai permanecer acima da meta do banco central. “Em 2014, o Produto Interno Bruto (PIB) deverá crescer 3,0%, puxado pelo suporte do setor público, pelas exportações líquidas e por uma modesta retomada do consumo privado na parte final do ano”, comentou o FMI em um relatório sobre o país.

Sem uma mudança nas políticas, o desempenho econômico futuro da Turquia provavelmente será mais fraco do que o do passado recente, segundo o FMI. “A baixa poupança doméstica e os desafios relacionados à competitividade estão se tornando fatores limitadores para investimentos e exportações. Por isso, com as políticas atuais e as taxas de poupança nacionais, o crescimento econômico deverá se desacelerar para cerca de 3,5% ao ano no médio prazo”, calcula o fundo.

O FMI observou que a taxa de crescimento mais baixa provavelmente vai limitar a inflação e a deterioração do déficit em conta corrente, mas também significa que a convergência da renda turca com a de economias avançadas será lenta. O déficit em conta corrente anualizado da Turquia diminuiu para US$ 48,5 bilhões em julho, ou cerca de 6,0% do PIB, à medida que as importações continuaram caindo em razão da demanda fraca.

Na visão do fundo, uma posição fiscal mais apertada contribuiria para reduzir os desequilíbrios externos do país e aliviaria a pressão sobre a política monetária. O FMI destacou que a política monetária precisa ser consistente com a meta de inflação e que a taxa de juros atual não é compatível com a redução da inflação para a meta de 5,0%. A taxa anual de inflação turca caiu para 8,86% em setembro, a mais baixa desde março, de 9,54% em agosto. Fonte: Dow Jones Newswires.