Uma escultura do ex-primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, em estado de coma, gerou uma grande polêmica e um debate emocional entre os israelenses. Em janeiro de 2006, quando ainda exercia o cargo, Sharon sofreu um derrame cerebral e está em coma até hoje, internado em um hospital. Uma mostra de arte que abriu em Tel-Aviv nesta semana apresenta uma escultura do ex-premiê em coma numa cama de hospital.

Um parlamentar do Partido Kadima (centrista), de Sharon, disse que a escultura é um “voyeurismo doentio”. Um amigo e confidente de longa data de Sharon, Raanan Gissin, disse que o general Sharon não gostaria de ser lembrado dessa maneira.

O artista Noam Braslavasky disse que criou a escultura porque Sharon está há bastante tempo ausente dos olhos do público e da mídia israelenses. Ele afirma que a escultura é uma alegoria do precário estado da existência de Israel.