Londres – Uma respeitada equipe internacional de cientistas desenterrou fósseis de 160 mil anos na Etiópia, que estão sendo apresentados como os mais antigos representantes do homem moderno. Os fósseis de dois adultos e de uma criança, descobertos na vila de Herto, a 255 quilômetros de Addis Abeba, preenchem uma importante lacuna no conjunto de fósseis que narram a história da evolução humana. Segundo os pesquisadores, são o elo que faltava entre os hominídeos africanos e os primeiros homens modernos.

A coleção também prova que o homem moderno conviveu com o homem de neanderthal e fortalece a teoria de que os seres humanos surgiram e evoluíram na África, antes de espalharem-se para outras partes do planeta.