O porta-voz da empresa alemã de promoção de lutas de boxe Arena, Matta Mueller-Michaelis, disse nesta sexta-feira (10) que os boxeadores cubanos Guillermo Rigondeaux e Erislandy Lara assinaram sim contratos com a empresa, diferentemente do que os dois afirmaram ao regressar a Cuba.

Segundo o porta-voz da empresa, apesar de os dois lutadores afirmarem ter recusado as propostas de até ? 100 mil (R$ 270 mil), eles teriam recebido um adiantamento de ? 5 mil (R$ 13,7 mil) e receberiam o restante do dinheiro quando chegassem à Alemanha.

"Definitivamente, eles assinaram contratos por cinco anos e receberam dinheiro", disse ele.

A Arena anunciou a contratação dos dois durante os Jogos Pan-Americanos, depois que os dois desapareceram da Vila Pan-Americana, no dia 22 de julho. Os dois foram presos no Rio de Janeiro 11 dias depois e deportados para Cuba. Os campeões mundiais dizem que se encontraram com os empresários, comeram e beberam demais e, por isso, não se apresentaram à pesagem.