O governo da Argentina vai apresentar uma denúncia formal contra o Reino Unido junto à Assembleia Geral e ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) pela militarização do Atlântico Sul. O anúncio foi feito pela presidente Cristina Kirchner na noite desta terça-feira. “Estão militarizando o Atlântico Sul uma vez mais e isso implica em um grave risco para a segurança internacional, porque ocorre em momentos em que sucedem situações fora de controle em outras regiões”, disse a presidente.

Segundo ela, o envio do “imenso e moderníssimo” destroier inglês “HMS Dauntless”, Tipo 45, anunciado na semana passada, e o treinamento militar do príncipe William nas Ilhas Malvinas não podem ser interpretados de outra forma. “Teríamos gostado de ver o herdeiro da coroa britânica vestido de roupas civis e não militares”, criticou a presidente. Cristina foi taxativa em alertar sobre a resistência dos governos da região à militarização. “Se há algo que vamos preservar, além de nossos recursos naturais, é de uma região inteira em paz, onde temos tido conflitos, mas nunca precisamos da mediação de nenhum organismo internacional. Resolvemos entre nós, sul-americanos”, ressaltou.

Cristina Kirchner afirmou ainda que a reivindicação argentina pela soberania do país sobre o arquipélago chamado pelos ingleses de Falkland e pelos argentinos de Malvinas. “Malvinas deixou de ser uma causa só dos argentinos para transformar-se em uma causa dos americanos, da América do Sul, da América Latina. É uma causa global”, afirmou. “Essa causa é regional e global, porque cada país se vê refletido no potencial do que pode ocorrer com qualquer um porque a guerra deste século será por recursos naturais e a América do Sul é uma das regiões mais ricas do planeta”, alertou.

A presidente descartou qualquer hipótese de uma ação militar de seu governo. “Que ninguém espere de nós gestos fora da política ou da diplomacia. Que não se iludam. Somos gente que sofremos muito a violência em nosso país. Não nos atraem o jogo das armas, nem as guerras”, afirmou.

As declarações da presidente foram feitas durante a assinatura de um decreto que constitui uma comissão para analisar um relatório militar sobre a Guerra das Malvinas, em 1982. A comissão terá um prazo de 30 dias para abrir os documentos à população.