O presidente Luiz Inácio Lula da Silva evitou comentar se já teria optado pelo modelo japonês de TV Digital. "Como é que eu já decidi se eu estou aqui", disse o presidente, durante a visita à mostra "Tropicália", no Centro Cultural Barbican, em Londres. Pouco antes, o ministro da Cultura, Gilberto Gil, também presente à mostra, disse que até onde ele saiba, o assunto não está fechado. Para ele o importante não é a questão tecnológica, mas o modelo cultural. Segundo o ministro, o modelo a ser adotado "tem que ser o mais democrático possível".

A visita de Lula ao Centro Cultural foi em clima absolutamente descontraído. Ele tirou fotos ao lado de Gilberto Gil, tocando violão e cantando "Soy loco por ti América"; ouviu a apresentação da cantora brasileira chamada Adma e em breve discurso lembrou os tempos da Tropicália, durante o governo militar, e a época que as pessoas precisaram sair do Brasil, por causa do regime de governo. O presidente lembrou que o movimento tropicalista enfrentou um clima de repressão e intolerância que dominava o país naquela época, e que o movimento evoluiu no tempo para o afro-reggae. Ele agradeceu à sociedade londrina por ter recebido os brasileiros que puderam ir para lá e se expressar sem censura.

Ainda no discurso, Lula disse que a sua visita ao Reino Unido é muito especial, que os dois países andaram juntos por muito tempo, desde o século 19, quando houve muitos investimentos, mas que depois houve uma descontinuidade. "Acho que o Reino Unido se apaixonou por uma outra região e deixou a América Latina de lado", disse o presidente lembrando que nas conversas que mantêm em Londres mostra que os dois países podem continuar parceiros na luta por um comércio mundial mais justo, pela democracia e investimentos conjuntos.

O presidente falou também da importância da produção de combustíveis alternativos, que podem ser "plantados" por homens e mulheres, em referência ao biodiesel. Ele ressaltou que essa é uma forma importante de ajudar os países mais pobres, "se quisermos torná-los mais justos". "Quando falamos em comércio mais justo não estamos falando de Reino Unido ou Brasil", observou o presidente, numa referência indireta aos países africanos. Segundo ele com o biocombustível, os países mais pobres teriam mais chance de se inserir no século 21, porque poderão "plantar petróleo" para distribuir renda, que é o sonho de todos. "Por isso é que essa medida é importante".

O presidente não deixou de citar o futebol, lembrando que esse assunto é comum para o Brasil e a Inglaterra. "O problema é que os alunos ficaram melhores que os professores", provocou o presidente, referindo-se ao fato de o futebol ter começado com os ingleses. Ele encerrou o discurso dizendo que espera que as seleções dos dois países cheguem ao final da Copa do Mundo "e que vença o melhor". Lula segue agora para almoço na Embaixada do Brasil.

Durante a visita ao Centro Cultural, Lula conversou por telefone com o técnico da seleção brasileira, Carlos Alberto Parreira, que está em Londres para ver o Real Madri, time que comporta vários jogadores da seleção. Na conversa o presidente mostrou a sua preocupação com o jogador Ronaldo Fenômeno, que tem sido criticado por torcedores do Real Madri e ídolos do futebol.