Fabricantes de pneus instalados no País acusam a China de praticar dumping na exportação de pneus novos ao Brasil. O sinal vermelho foi aceso com o crescimento de 250% na importação desses pneus este ano. Segundo o setor, eles chegam ao País no preço da matéria-prima. A idéia da Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos (Anip) é recorrer ao governo e solicitar salvaguarda ou abertura de ação antidumping.

O presidente da Anip, Vilien Soares, afirma que o assunto está em estudo e deverá estar definido em um ou dois meses. "Grosso modo, o preço com que chegam aqui é o preço da nossa matéria-prima. Isso caracteriza evidentemente um sistema de desigualdade, de dumping, eu diria, dos produtos chineses, asiáticos em geral, em relação ao nosso", disse o presidente da Michelin América do Sul, Luiz Fernando Beraldi.

Trata-se de mais um setor que se sente prejudicado com o avanço das compras na China, junto com têxteis, brinquedos e outros. Segundo a Associação de Comércio Exterior (AEB), estão crescendo este ano as importações de 120 dos 132 manufaturados comprados pelo Brasil. As informações são de que pelo menos quatro produtos – lentes, óculos, escovas e pedivela (peça do pedal da bicicleta – já têm pedidos de salvaguardas em fase final de análise.

Na prática, o sucesso do produto importado dói no bolso dos fabricantes locais. As estimativas são de que de 2005 para 2006 a participação dos produtos chineses no mercado duplicou de 5% para 10%.

O presidente da Michelin explica que estes produtos chegam com preços 30% a 40% inferiores aos fabricados no País, trazidos por "importadores oportunistas", em geral redes independentes das grandes lojas de pneus.