A deputada federal Jandira Feghali (PC do B), candidata derrotada à vaga do Rio de Janeiro no Senado, entrou hoje com um pedido de investigação judicial contra abuso de poder econômico na eleição por parte de Francisco Dornelles, vitorioso na disputa pelo cargo de senador. A advogada da deputada, Rosana dos Santos Alcântara, quer que o TRE-RJ, constatando o crime eleitoral, negue a diplomação de Dornelles, ou casse-a, caso a investigação seja concluída depois de oficializado os resultados.

São dois os motivos que levaram a deputada ao Tribunal. Ela reclama de torpedos enviados a aparelhos celulares das operadoras Tim e Oi com mensagens contrárias à sua candidatura, por ela ter relatado um projeto a favor da descriminação do aborto. Reclama ainda que a secretária de Dornelles na Fundação Getúlio Vargas, Roziris de Oliveira Nagel, utilizou o correio eletrônico da instituição com propaganda do candidato, vice-presidente da FGV. Isto, segundo a advogada, já seria motivo para impedir a diplomação dele, que saiu das urnas com 3.373.731 votos (o que correspondeu a 45,77% dos votos válidos) enquanto ela obteve 2.761.216 (37,46%).