Até o final do ano, o Ministério da saúde deve abrir mais 263 farmácias populares.
Em pouco mais de um ano de funcionamento, as 53 farmácias populares instaladas em várias partes do país já venderam 8 milhões de itens entre frascos, cartelas com comprimidos,bisnagas, injetáveis e preservativos. Nas farmácias populares, a população encontra 95 tipos de remédios a preços menores que os praticados no mercado.

Para o diretor do Programa Farmácia Popular, Adilson Stólet, o acesso aos medicamentos mais baratos dá condições ao paciente de não interromper o tratamento. "Foi feita uma pesquisa que mostra que 50% das famílias de baixa renda interrompem o tratamento porque não têm dinheiro para pagar o medicamento. O Programa Farmácia Popular do Brasil veio para reduzir esse problema", informou o diretor.

Segundo Adilson Stólet, o programa está atendendo não só a população de baixa renda, mas também as pessoas que procuram um medicamento com preço mais baixo. " Pessoas de qualquer nível social estão indo às farmácias populares para comprar remédios com preços mais acessíveis. As farmácias populares são bem localizadas, geralmente nos centros das cidades, e isso também facilita o acesso de um público maior" acrescentou.

Adilson Stólet afirmou ainda que as prefeituras das cidades com mais de 70 mil habitantes interessadas em instalar uma farmácia popular devem procurar o Ministério da Saúde para apresentar sua proposta. A prefeitura fornecerá os funcionários e o local onde será montada a unidade.