Entre as metrópoles brasileiras com mais de 1 milhão de habitantes, Curitiba é a segunda com menor índice de exclusão social. Perde apenas para Porto Alegre (RS). Este é o resultado do Atlas da Exclusão Social no Brasil, estudo feito por um grupo de pesquisadores da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), USP (Universidade de São Paulo) e PUC (São Paulo e de Campinas) agora transformado em livro (Editora Cortez, 221 páginas, R$ 29).

Além de renda, saúde e expectativa de vida, indicadores empregados pela ONU (Organização das Nações Unidas) para chegar ao IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), o Atlas da Exclusão Social no Brasil avaliou também a proporção de jovens na população, a violência urbana e o número de trabalhadores com carteira assinada.

De 0 (pior) a 1 (melhor), Curitiba obteve índice 0,730. Porto Alegre, metrópole com mais de 1 milhão de habitantes mais bem classificada, recebeu 0,761. Na classificação geral, Curitiba ficou em nono lugar. Porto Alegre, em sexto. Foram pesquisados os 5.507 municípios brasileiros presentes no Censo 2000 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).