Prestes a completar três meses, o programa do microempreendedor individual (MEI), lançado pelo governo federal para estimular a formalização de trabalhadores autônomos, ainda tem problemas para decolar. Até a semana passada, 20.672 pessoas se inscreveram no projeto, que nasceu com a meta de formalizar 1 milhão de empreendedores no prazo de um ano. Com problemas no portal que recebe as inscrições, a implantação, que seria nacional, foi limitada a alguns Estados. Hoje, apenas nove estão formalizando microempresários.

Ontem, em visita à região de comércio popular do Brás, na capital paulista, os ministros da Previdência Social, José Pimentel, da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República, Daniel Vargas, e do Desenvolvimento, Miguel Jorge, anunciaram medidas para acelerar e complementar a implantação do programa.

Entre elas, a reformulação do Portal do Empreendedor, site que recebe as inscrições dos empreendedores ao MEI. A ideia é tornar o processo mais rápido e simplificado. “Em vez de passar por quatro, cinco telas para finalizar a formalização, queremos que isso ocorra em apenas uma etapa. É a segunda geração do MEI”, explicou Jorge. O programa tem como alvo profissionais como costureiras, sapateiros, manicures e marceneiros, entre outros, que atuam no mercado informal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.