O presidente da Eletrobras, José da Costa Carvalho Neto, acredita em uma redução das tarifas de energia elétrica ao consumidor brasileiro ainda neste ano. Segundo ele, os fatores conjunturais estão voltando à normalidade, o que permitirá o movimento.

“A situação hidrológica está melhorando um pouco: desligamos as térmicas, choveu um pouco mais e estamos ampliando a capacidade de geração no País”, afirmou a jornalistas, na audiência pública na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) sobre o desenvolvimento e o uso da energia solar fotovoltaica, a proposta de implantação da agência estadual de energia elétrica e o aumento da conta de energia dos irrigantes do Estado.

Ele defendeu que se ache uma nova metodologia de risco hidrológico que seja compartilhada, já que hoje o risco pertence aos geradores, e também a ampliação da matriz energética fotovoltaica.

Para o deputado estadual Gil Pereira (PP), além da energia fotovoltaica ser menos poluente e contribuir para economia de água, é econômica financeiramente. “Essa energia não será mais barata do que a hidrelétrica, mas hoje já é bem mais do que a térmica”, disse, citando que o megawatt hora da térmica está em torno de R$ 1.000 e a solar, no último leilão em 2014, R$ 215. “Se já utilizássemos a energia fotovoltaica acredito não teríamos bandeira vermelha nas contas e até nenhuma bandeira”, disse.

Ele destacou que Minas Gerais tem potenciais de produção de energia solar no Triângulo, noroeste e norte do Estado.