A Assembléia de Credores da Parmalat no Brasil aprovou ontem alterações no Plano de Recuperação Judicial daquela empresa, que possibilitaram a conclusão das negociações da venda da Parmalat Alimentos para o Fundo de Investimentos LAEP Investments & Restructuring Fund. Imediatamente, a Agord – empresa pertencente ao Fundo de Investimentos – promoveu aumento de capital de R$ 20 milhões na Parmalat Alimentos, assumindo assim 98,5% do seu controle acionário.

Na seqüência das decisões da Assembléia, a nova Parmalat assinou com a Perdigão contrato de compra e venda de R$ 101 milhões do controle acionário (51%) da Batávia S/A, que prevê ainda o uso na forma de licenciamento da marca Parmalat para processados lácteos. Essa operação deverá agora ser homologada pelo Juiz de Direito da 1.ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais, onde tramita o processo da Parmalat.

O negócio adquirido pela Perdigão no segmento lácteo gera um faturamento anual de, aproximadamente, R$ 650 milhões. A empresa mantém dessa forma seus objetivos de continuar crescendo em percentuais semelhantes aos sustentados na última década, tanto em volumes como em receitas, sem, entretanto, elevar a concentração de seus negócios nas áreas de carnes de aves e de suínos.

A Perdigão entra no mercado de lácteos em parceria com a cooperativa CCLP – Cooperativa Central de Laticínios do Paraná e Agromilk, que continuarão mantendo 49% do capital da Batávia S/A – Indústria de Alimentos, empresa sediada em Carambeí (PR) e com atuação agroindustrial também no estado de Santa Catarina.

Hoje, a marca Batavo tem forte presença nos mercados do Sul e Sudeste e agora, através da rede de distribuição da Perdigão, poderá acessar os mercados do Norte e Nordeste.

Terceira empresa na indústria de laticínios, com market share de 13,1%, a Batávia tem mais de 1,7 mil empregados nas suas duas unidades ? Carambeí (PR) e Concórdia (SC) ? e é detentora de um mix de mais de 200 produtos que vão desde iogurtes, petit suisse, sobremesas, leite pasteurizado e UHT, leites aromatizados e leite fermentado, sucos, bebidas à base de soja, queijos, entre outros.

Do volume produzido pela empresa, 40% é leite e o restante, 60%, composto por refrigerados e demais produtos. O mercado brasileiro de Processados Lácteos, formado por produtos como iogurtes, sobremesas, petit suisse e leite fermentado, representou em 2005 mais de R$ 3 bilhões, enquanto o segmento de leite UHT e em pó superou a cifra de R$ 5,5 bilhões. As unidades de Carambeí e Concórdia produziram, no ano passado, média de 20 mil toneladas/mês, volume de produção que pode crescer em 30%, considerando a capacidade instalada hoje. Tal flexibilidade representa um grande potencial a ser desenvolvido, inclusive na área de exportações, mercado bastante familiar à Perdigão.

A Batávia conta com uma rede de 940 produtores diretos de leite em 40 municípios. Em 2005, as unidades da empresa captaram, juntas, 220 milhões de litros de leite. O Brasil é o quinto maior produtor mundial de leite, atrás da União Européia, Estados Unidos, Índia e Rússia.