As vendas externas de Minas Gerais avançaram 7% em junho ante o mesmo mês de 2014, passando para US$ 1,89 bilhão. O desempenho das exportações colaborou para que o Estado encerrasse o mês com superávit comercial de US$ 1,04 bilhão. As importações do período somaram US$ 851,81 milhões. Minas Gerais foi responsável por 9,6% das exportações brasileiras e por 5,6% das importações no mês. Os dados foram divulgados pela Exportaminas, unidade da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sede), em parceria com a Fundação João Pinheiro (FJP).

Na análise por produtos, o minério de ferro (26,2%), ferro-ligas e ferro fundido (14,7%), café (12,8%) soja (8,6%) e ouro e pedras preciosas (5,7%) foram os destaques das exportações do Estado em junho. Já com relação ao mercado, a China se mantém como o principal destino das vendas mineiras, representando 25,1% do total exportado.

Na sequência ficaram os Estados Unidos, com participação de 8,3%; Argentina, com 7,9%; e Holanda e Reino Unido, com 5%. Em junho, os Estados Unidos foram o principal fornecedor de Minas Gerais, ocupando 17,7% da pauta importadora, seguida pela China, com 14,3%, Argentina, com 12%, Itália, com 6,7%, e Alemanha com 6,3% do total importado.

Mercosul

As vendas dos produtos mineiros para o Mercosul, entretanto, tiveram forte retração: 22% nos primeiros cinco meses de 2015 em relação ao mesmo período de 2014. A maior taxa negativa ficou com o comércio com a Venezuela (-27,3%), seguida de Argentina (-22,6%), Paraguai (-8,7%) e Uruguai (8,3%).

Para o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico, Altamir Rôso, em nota, mesmo com menor dinamismo do comércio entre Minas Gerais e os países do Mercosul, os setores exportadores mineiros têm encontrado oportunidades de ampliação das receitas de exportação nos países do bloco. No caso das exportações para a Argentina, por exemplo, os segmentos que apresentaram maior dinamismo foram produtos químicos (178,9%), têxteis (186,2%), calçados (47,5%) e cerâmicos (21,2%).

Para o Paraguai, a variação positiva das vendas mineiras foram para os setores de móveis (385,5%), laticínios (328%), confecções (172,9%), brinquedos, jogos e artigos esportivos (127,5%) e máquinas e equipamentos mecânicos (116,9%). O Uruguai aumentou as compras no Estado de itens como couros e peles (670,1%), café (469,6%), calçados (118,4%) e metalúrgicos (110,6%). A Venezuela também apresentou destaque positivo para alguns setores: veículos e material de transporte (407,4%), produtos químicos (344,1%), têxteis (125,4%) e milho (116,8%).