As exportações brasileiras de frutas devem alcançar US$ 1 bilhão/ano em 2005, ante US$ 215 milhões em 2001, segundo meta estabelecida pelo Instituto Brasileiro de Frutas (Ibraf).

As frutas são consideradas ?novos produtos? de exportação do Brasil pela Agência de Promoção de Exportações (Apex), que narra o ?case? das vendas externas desses produtos no livro A primeira exportação a gente nunca esquece, que será lançado na próxima semana.

Segundo a Apex, o mercado internacional de frutas ?exige um enorme esforço de promoção?. De acordo com dados do Ibraf, o Brasil é um dos maiores produtores mundiais de frutas, com produção anual superior a 30 milhões de toneladas. Existem mais de 200 frutas no País, algumas desconhecidas até pelos brasileiros.

De 1997 a 2001, as exportações brasileiras de frutas frescas cresceram entre 35% e 40% ao ano, segundo o Ibraf. O mercado internacional de frutas cresceu 5% ao ano nesse período, e a perspectiva para os próximos cinco anos é de um crescimento anual de 4%, para as frutas de clima temperado, e muito maior para as frutas tropicais, sendo que a manga, por exemplo, deve crescer 16%.

Segundo o Ibraf, no período de 1997 a 2001, as exportações brasileiras de maçã cresceram em média 17,3% ao ano, enquanto o crescimento mundial do mercado foi de 3,7%. A manga chegou a 42% ao ano, enquanto o mercado global cresceu 11,5%.

Esses crescimentos acima da média global foram resultado especialmente de campanhas realizadas pelo Ibraf em quatro países (Alemanha, Inglaterra, França e Estados Unidos) para a promoção das frutas. Segundo a instituição, os eventos de degustação internacionais são importantes para a promoção desses produtos e sua realização prosseguirá nos próximos anos.