Os resultados da produção industrial desta terça-feira (6), especificamente os significativos crescimentos em bens de capital, levaram o economista Paulo Levy, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a revisar a estimativa de expansão do PIB no terceiro trimestre deste ano, ante igual período do ano passado, de 4,0% (segundo o último boletim de conjuntura, relativo a setembro), para 4,5%.

Segundo Levy, os elevados números da produção de bens de capital (alta de 21,9% em setembro ante igual mês de 2006) projetam uma variação na Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, que mede os investimentos no PIB) de 16,5% no terceiro trimestre de 2007 ante igual período de 2006. Essa perspectiva de "crescimento muito expressivo" levou à revisão na projeção para o PIB.

Para Levy, os dados da produção da indústria em setembro – queda de 0,5% ante agosto, mas aumento de 5,6% ante igual período do ano passado – foram influenciados pelo número menor de dias úteis em setembro e são "positivos, mostrando que a indústria mantém o dinamismo e a tendência é de crescimento".