O medo de perder o emprego e a expectativa de pagar mais caro para fazer as compras de final de ano fez o Índice de Expectativa do Consumidor (Inec), medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), registrar em dezembro a segunda queda consecutiva, com redução de 0,5% em relação a novembro. O índice ficou em 109,2 pontos, abaixo da média histórica de 111,1 pontos.

Na comparação com dezembro de 2013, o índice recuou 1,8%. “A queda do Inec em dezembro deve-se ao maior pessimismo em relação à evolução dos preços e do desemprego”, registrou a CNI.

Segundo a Confederação, o quesito “expectativas em relação à inflação” recuou 7,8%, apresentando melhora em relação aos 9,8% de queda registrados em novembro. Já o de desemprego caiu 5,1% em dezembro, ante 8,4% em novembro. As quedas indicam maior medo dos consumidores em perder o emprego e em ter de pagar mais caro por produtos.

Na contramão das expectativas de consumo e desemprego, os brasileiros se mostraram otimista em relação à renda pessoal. Este indicador cresceu 0,9% neste mês, na comparação com a queda de 2,1% em novembro.

A expectativa em relação às compras de final de ano cresceu 2,5%, recuando na comparação com os 5,4% do mês anterior. Ou seja, mesmo prevendo que irá pagar mais caro, o brasileiro está disposto a gastar. Nesse sentido, houve crescimento também no indicador sobre situação financeira, que pontuou alta de 1,8% neste mês, ante 0,9% em novembro.

O Ibope Inteligência ouviu, a pedido da CNI, 2.002 pessoas em 142 municípios entre 5 e 8 de dezembro.