A inadimplência das empresas do País cresceu 2,3% no acumulado de janeiro a maio deste ano, ante o mesmo período de 2006, segundo revelou o Indicador Serasa de Inadimplência. O levantamento apontou também que, entre maio e abril de 2007, o aumento foi de 9,6%.

A companhia de análise de crédito destacou que o crescimento da inadimplência nos cinco primeiros meses do ano foi impulsionado pela alta da participação das dívidas com os bancos, que pode ser explicado pelo forte incremento das contratações de operações de crédito

Ainda de acordo com os analistas da instituição, a valorização cambial também contribuiu para a elevação do indicador, "pois prejudicou a rentabilidade das empresas exportadoras e afetou aquelas que concorrem diretamente com os produtos importados".

Entre as modalidades pesquisadas, os títulos protestados apresentaram a maior participação, com 39,8% do total, ante a representatividade de 40,5% verificada de janeiro a maio do ano passado. O valor médio neste ano foi de R$ 1.434,28.

A segunda colocação foi dos cheques sem fundos, com peso de 38 6% no indicador. A representatividade desta modalidade também apresentou queda em relação ao mesmo período de 2006, quando registrou 39,7% do total. O valor médio no acumulado deste ano foi de R$ 1.132,87.

A menor participação, de 21,6%, ficou por conta das dívidas registradas com os bancos, num resultado superior à participação de 19,8%, do mesmo período do ano passado. O valor médio ficou em R$ 4.100,91 das anotações negativas de janeiro a maio deste ano.