Exportações do Paraná aumentaram em 22%

As exportações do Paraná para os países da Associação Latino-Americana de Integração (Aladi) alcançaram US$ 1,2 bilhão nos 7 primeiros meses de 2006, alta de 22% sobre mesmo período do ano passado. Com isso, países como Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, México, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela, todos integrantes do grupo, além do próprio Brasil, passam a ocupar a segunda posição entre os principais destinos de produtos exportados pelo Estado.

Segundo o secretário da Indústria, do Comércio e Assuntos do Mercosul, Jacir Bergmann II, a vice-liderança dos principais mercados dos produtos do Paraná, até o ano passado, estava com o Nafta, bloco econômico formado por Canadá, México e Porto Rico e liderado pelos Estados Unidos. ?Políticas públicas para despertar o empresariado local aos países vizinhos, com foco principalmente no Mercosul, abriram oportunidades e deixaram os blocos tradicionais com queda em volume de negócios?, afirma.

União Européia

Enquanto em 2005, a União Européia (UE) comprou cerca de US$ 1,8 bilhão em produtos do Paraná nos primeiros 7 meses, as vendas do Estado fecharam queda de 11% no mesmo período deste ano. Mesmo assim, a UE continua liderando o destino das exportações do Paraná.

Entre os principais produtos exportados para o bloco estão bagaço e resíduos de óleo de soja, motores, automóveis, madeiras compensadas e alimentos congelados. Na importações, a União Européia também apresentou queda (-12%), tendo como principais produtos acessórios para veículos e tratores, medicamentos e demais produtos para automóveis.

Com o Nafta, a queda foi de 10% na comparação sobre os primeiros sete meses de 2005 e 2006, ocupando assim a terceira posição no ranking de blocos exportadores do Paraná. Madeiras compensadas, automóveis, motores, álcool etílico e acessórios para tratores e veículos lideram os produtos exportados pelo Estado. Nas importações, houve uma alta de 11%, sendo óleo bruto de petróleo, automóveis, motores e acessórios automotivos os principais produtos comprados pelo Estado do bloco liderado pelos países da América do Norte.

Considerados blocos emergentes pelo potencial de compra, expansão industrial (a exemplo do Chile com altas taxas de crescimento), blocos como a Aladi e o Mercosul já consolidam grandes volumes de negócios com os exportadores do Paraná. ?Se na Aladi tivemos alta de 22%, o crescimento foi ainda mais expressivo com o Mercosul (58%), um salto de US$ 498 milhões para US$ 786 milhões na avaliação entre os sete primeiros meses de 2005 e o mesmo período deste ano?, compara o secretário Bergmann II.

Outra tendência verificada também foi o aumento representativo de produtos exportados com maior valor agregado. Tanto para a Aladi como para o Mercosul, as exportações de automóveis aparecem com 12% e 11%, respectivamente, em participação das vendas paranaenses. ?Entre os 10 principais produtos exportados para o Mercosul por exemplo, 9 são do setor automotivo e agroindustrial?, conclui o secretário. (AEN)

Voltar ao topo