A crise financeira e econômica dos últimos 18 meses transformou o mapa dos povos mais ricos, com a Europa ultrapassando a América do Norte como a região mais rica do mundo, de acordo com relatório do The Boston Consulting Group (BCG). A riqueza global, segundo informou hoje o BCG, teve uma redução de 11,7%, para US$ 92,4 trilhões em 2008. Esse foi o primeiro declínio desde 2001.

O BCG acredita que é improvável que a riqueza volte aos níveis precedentes a 2007 por quatro anos. A América do Norte assistiu à maior redução na riqueza, com queda de 21,8% no ano passado.

A maior parte da queda ocorreu por causa do volume de recursos que os norte-americanos tinham aplicado em ações. A América Latina foi a única região do mundo onde a riqueza cresceu, em 3%.

A riqueza total na Europa caiu 5,8%, para US$ 32,7 trilhões no ano passado. Na América do Norte, a riqueza foi estimada em US$ 29,3 trilhões, após o declínio de 21,8%.

De acordo com o estudo, o número de famílias milionárias no mundo inteiro caiu 17,8%, para nove milhões no ano passado. Mas a crise também estreitou a distância entre os ricos e os não ricos, com a riqueza sob poder de famílias com menos de US$ 100 mil em ativos crescendo 2% no ano passado, mas decaindo em todos os outros segmentos. As famílias com mais de US$ 5 milhões viram sua riqueza cair em 21,5%.

“A riqueza começará a ter uma lenta recuperação em 2010, mas talvez não atinja seu nível pré-crise até 2013”, disse Peter Damisch, coautor do estudo. “Nós esperamos que a riqueza cresça a uma média anual de 4% entre o final de 2008 e 2013”.