A desaceleração no consumo, já verificada em 2013 e no início deste ano, parece não estar no horizonte das famílias do Nordeste. Dados da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostram que a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) caiu 7,4% na média do Brasil quando se compara junho deste ano com igual mês de 2013. Nesta mesma base, a ICF cresceu 4,3% no Nordeste, para 135 pontos, o nível mais alto entre as regiões e o único resultado ainda crescente.

“O Nordeste tende a se destacar no que se refere a consumo, e isso reage muito ao que está acontecendo no mercado de trabalho. É a região onde o emprego tem os melhores resultados”, explica o economista Fabio Bentes, da CNC.

Além de ter apresentado o maior resultado em termos de geração de vagas no primeiro trimestre de 2014, a formalização na região também é forte e tem colaborado para a intenção de consumo se manter em níveis elevados, avaliou Bentes. Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram alta de 2,2% no emprego formal no Brasil em 12 meses até abril. No Nordeste, o avanço é de 3,3%, com destaque para o comércio e os serviços.

O comportamento dos preços é outro ponto que favorece o consumo. A inflação do varejo brasileiro calculada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no âmbito da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) – o chamado deflator da pesquisa – ficou em 6,4% nos 12 meses até abril. No Nordeste, esse aumento foi menor, de 5%, calcula Bentes. “Isso tira um pouco do impacto da inflação na renda”, diz o economista da CNC. No Norte, o porcentual também foi menor, de 4,4%.

Vendas. Nordeste, Norte e Centro-Oeste têm os melhores resultados de vendas no varejo no País, e devem seguir essa tendência, puxando o crescimento regional. Segundo a PMC, o volume de vendas do varejo restrito (sem contar veículos e material de construção) cresceu 4,9% em 12 meses até abril no País. Mas grande parte dos Estados nessas três regiões mostra aumento maior, como Rondônia (9%), Maranhão (9,6%), Mato Grosso do Sul (8,4%) e Pernambuco (6,9%).

Os programas de distribuição de renda também têm um papel fundamental no Nordeste, lembra o economista Alexandre Rands, da consultoria Datamétrica. Segundo ele, os efeitos recaem não só sobre os rendimentos das famílias, mas também sobre a atividade. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.