As linhas de crédito especiais do Banco do Brasil (BB) e da Caixa para a cadeia automotiva, anunciadas esta semana, são um sinal de “atenção”, não de “alarme”, afirmou ontem o diretor-geral da agência de classificação de risco Fitch, Rafael Guedes. O executivo evitou criticar as medidas como um retorno da estratégia de socorro da política econômica comandada pelo ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e demonstrou mais preocupação com a Caixa do que com o BB.

“Se a Caixa entrar em outros setores, é uma preocupação”, afirmou Guedes, em seminário no Rio. No anúncio das medidas, a presidente da Caixa, Miriam Belchior, afirmou que o banco lançaria linhas para outras cadeias de fornecedores. No caso do BB, Guedes destacou que o banco tem uma “política comercial” e que, recentemente, cresceu menos do que a Caixa.