Alertar a população sobre a quantidade de impostos que são cobrados no Brasil. Essa é a proposta do movimento ?De Olho no Imposto?, que está coletando assinaturas em todo o País, para encaminhar um projeto de lei popular para o Congresso Nacional para que o imposto pago seja explicitado em cada produto vendido. Em Curitiba, a campanha está sendo encabeçada pela Associação Comercial do Paraná (ACP), que montou uma barraca na Rua XV de Novembro, no centro da capital, para coletar as assinaturas neste final de semana.

Segundo o vice-presidente da ACP, César Luiz Gonçalves a meta é conseguir 1,5 milhão de assinaturas em todo do País, sendo que até 10 de junho eles pretendem encaminhar o projeto para o Congresso para que seja aplicado ainda neste ano. De acordo com a proposta, diz Gonçalves, cada produto que o consumidor adquirir, o valor do imposto deverá estar especificado na nota fiscal o rótulo. ?Com isso queremos mostrar que a ganância não é do empresário, que só comercializa o produto já com o imposto, mas sim do governo?, comentou.

Além da coleta de assinaturas, o movimento ?De Olho no Imposto? também quer conscientizar a população sobre os valores embutidos nos produtos. Por isso está divulgando alguns índices dos 112 tipos diferentes de impostos cobrados no País. O mais caro é do cigarro, que chega a 83% do produto. Sobre as carnes de frango e bovina incidem 18% de impostos. Já o açúcar tem 41%, o leite 35% e o combustível 53%. César Luiz Gonçalves afirma que com isso o governo arrecada R$ 1,5 bilhão por dia. ?Quando a população souber o que estar pagando irá cobrar do governo a aplicação desses impostos?, comentou.