O ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou hoje que considera possível uma iniciativa dos Estados Unidos de retomar as negociações da Rodada Doha, da Organização Mundial do Comércio (OMC), em razão da vitória do Brasil na controvérsia sobre a política norte-americana de subsídios ao algodão .

Segundo Amorim, se os Estados Unidos tivessem contribuído para a conclusão da Rodada Doha em julho de 2008, certamente estariam recebendo em troca vários benefícios no comércio apesar da redução dos subsídios a seus setores agrícolas. Para o ministro, a controvérsia aberta pelo Brasil contra a União Europeia sobre o comércio de açúcar também deve mobilizar para a conclusão da Rodada Doha. “Eu não estarei aqui, mas a rodada vai terminar”, afirmou ele referindo-se ao fato de que provavelmente não continuará no posto no próximo governo.

O ministro receberá amanhã o diretor-geral da OMC, Pascal Lamy, para conversar especialmente sobre a Rodada Doha. Na avaliação do chanceler, as negociações não foram retomadas por falta de liderança dos Estados Unidos.

Sobre as negociações entre Brasil e Estados Unidos em torno da aplicação de sanções pela parte brasileira como retaliação no caso do algodão, ele afirmou que não sabe se um primeiro acordo poderá ser fechado no prazo determinado, que é até 22 de abril.

“Sei que há um grande esforço de negociação”, disse.