A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) apresentou ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) proposta para revitalizar o Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras (Moderfrota). A entidade pediu ajustes no programa de financiamento de máquinas, preocupada com a possibilidade de o governo não renovar o Finame PSI (Programa de Sustentação do Investimento). A Abimaq pede que o Moderfrota tenha juros de 3,5% para pequenos produtores, 4,6% para médios e 6% para grandes. Hoje, os juros variam de 7,5% a 9,5%.

A ideia foi apresentada ao BNDES há três semanas e, assim que receber o aval da área técnica do banco será levada ao Ministério da Agricultura. “Queremos garantir a redução de juros para aquisição de máquinas independentemente do PSI”, disse o diretor adjunto da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas (CSMIA) da Abimaq, José Carlos Pedreira de Freitas, durante apresentação da Feira Internacional de Tecnologia Agrícola em Ação (Agrishow 2011), em São Paulo. Ele diz que o segmento merece um tratamento de juros diferenciado também pelo fato de o PSI não ser um programa permanente. Ele calcula que 80% das aquisições de máquinas e implementos sejam feitas por meio do PSI por ano.

Freitas ainda projetou que o setor de máquinas deve crescer 20% em 2011 em relação ao faturamento de R$ 7,5 bilhões registrado no ano passado. A expectativa leva em consideração, especialmente, os bons preços das matérias-primas (commodities).

A Agrishow 2011 ocorrerá de 2 a 6 de maio, em Ribeirão Preto (SP). A expectativa do presidente da Sociedade Rural Brasileira (SRB), Cesário Ramalho, também presidente da feira, é superar o R$ 1,15 bilhão negociado em 2010. “A agricultura vai bem, as commodities estão valorizadas, evidentemente podemos ter melhor resultado. (o faturamento) Vai crescer, tendo em vista o que aconteceu em feiras como o Show Rural Coopavel e a Expodireto”, disse.

Entre as novidades apresentadas, a mostra deve ter agrupamento de expositores por segmento e a criação da Portaria Sul, para favorecer o acesso de visitantes a toda área da feira. São esperados 160 mil visitantes ante os 142 mil registrados no ano passado. Neste ano serão 765 expositores enquanto na edição anterior a mostra contou com 730 expositores.