A dona de casa Neuza Evangelista Fumero, de 47 anos, morreu hoje de manhã após esperar por mais de uma hora e meia na frente de um posto de saúde da zona norte do Rio e não conseguir atendimento. De acordo com pessoas que também estavam na fila do posto municipal de saúde Ernesto Zeferino Tibau Júnior, em São Cristóvão (zona norte), Neuza já chegou passando mal. Eram cerca de 4h30, e a unidade ainda não estava aberta. O horário de funcionamento é de 7h às 17h e não há atendimento de emergência.

A Secretaria Municipal de Saúde do Rio não quis comentar o caso, mas divulgou uma nota oficial no início da tarde, em que afirma que Neuza sofria de hipertensão, diabete e asma; segundo a nota, ela era paciente regular do posto de saúde. Ainda de acordo com o documento, a secretaria afirma que, por volta das 4h50, o vigilante do posto tomou conhecimento de que Neuza estava passando mal e imediatamente avisou o Corpo de Bombeiros. "Tratava-se de um caso a ser encaminhado para hospital de emergência", diz a nota, ressaltando que a unidade não tinha essa função. "Infelizmente, a paciente faleceu antes da chegada da ambulância, às 6h30 ".

O relações-públicas da Defesa Civil Estadual, coronel Roni Alberto, desmentiu a informação passada pela Secretaria Municipal de Saúde. Segundo ele, o Corpo de Bombeiros registrou um único chamado às 6h01. Às 6h04, afirmou, uma ambulância deixou o quartel mais próximo, na Tijuca (zona norte) e chegou ao posto de saúde às 6h10, quando Neuza já estava morta.