Cristiano de Lara Castelhano, 33 anos, foi morto a tiros na Rua Jeová Teixeira de Lara, no Tatuquara, pouco depois das 20h de sábado. Um suspeito do crime, Júlio Fernandes Vieira, 22 anos, foi preso em flagrante por policiais militares, correndo ainda com uma arma na mão.

Uma equipe da Polícia Militar estava por perto, ouviu os disparos e logo em seguida presenciou Júlio correndo armado no meio da rua. Ele foi levado em flagrante ao CIAC-Sul, não só pela suspeita do assassinato, mas pelo flagrante da arma que portava.

Ao repórter Antônio Nascimento, da rádio Banda B, Júlio alegou que Cristiano matou seu irmão há algum tempo. Depois do crime, passou a ser ameaçado também. Então decidiu acabar com a vida do rival, antes que fosse morto por ele. Cristiano saiu recentemente do sistema prisional, pois estava usando uma tornozeleira eletônica, destas que a Secretaria de Justiça recentemente adquiriu, como uma das formas de amenizar e evitar a superlotação carcerária.