As obras de construção do Terminal do Tatuquara, na zona sul de Curitiba, que começaram em janeiro de 2019 devem ser concluídas até o fim deste ano. Com 3,4 mil metros quadrados, o novo terminal é uma obra de R$ 8,2 milhões, com recursos do governo federal e contrapartida da prefeitura. Os trabalhos começaram quase cinco anos após o desenvolvimento do projeto e ao menos três mudanças na data de início da construção. O novo terminal faz parte do pacote de construção ou reforma de terminais anunciados pelo prefeito Rafael Greca (DEM). Ele será o 24.º a fazer parte da Rede Integrada de Transporte de Curitiba.

+Viu essa? Estoque de medicamentos para casos de covid-19 no Paraná está no limite

O terminal vai atender, principalmente, os bairros Tatuquara, Campo Santana e Caximba. De acordo com Soelio Antônio Vendramin, do Departamento de Edificações da Secretaria Municipal de Obras Públicas, atualmente as equipes estão fazendo a pavimentação do arruamento do terminal e o fechamento das laterais com chapa metálica.

Foto: Divulgação/SMCS.

As estruturas metálicas da cobertura já estão fixadas, aguardando a colocação de telhas e já começaram os acabamentos das áreas de alvenaria que formam a estrutura de apoio ao usuário. Também está em execução a calçada em petit pavê da Rua João Goulart, por onde será feita a entrada do terminal.

O terminal contará com vários espaços de apoio aos passageiros. Ele será equipado com bicicletário para 108 vagas, vestiários e lanchonetes.

Segundo a prefeitura, outro aspecto importante é que, além de solucionar a questão da mobilidade, o terminal faz parte de um conjunto de melhoria da urbanização do Tatuquara. Ao lado do terminal, a prefeitura construiu a Praça Vovô Vitorino, um complexo de esporte e lazer composto de quadras de futebol, vôlei e basquete e parquinho, que poderá ser utilizado após a pandemia pela covid-19. 

+Viu essa? Curitiba e RMC têm reservas de água reduzidas pela metade em quatro meses, mesmo com rodízio

Para proteger esportistas, crianças e demais frequentadores, o local é cercado por alambrados de cinco metros de altura. A praça também foi bem iluminada para permitir seu uso durante a noite.

O projeto prevê 10 linhas alimentadoras para descentralizar o transporte na região, hoje concentrado no Terminal do Pinheirinho. Entre as linhas que circularão pelo novo terminal estão Rio Bonito, Dalagassa, Pompeia, Janaína, Santa Rita, Rurbana e Tatuquara, que hoje fazem a integração no Pinheirinho. A estrutura também receberá linhas troncais para futura integração com estações estratégicas da Linha Verde – para a ligação direta ao Centro e integração metropolitana. 

Foto: Divulgação/SMCS.

Atrasos 

Em 2017, como noticiou a Tribuna do Paraná, no início da gestão de Rafael Greca (DEM), o prefeito garantiu que o terminal do Tatuquara, cujas questões burocráticas haviam iniciado na gestão anterior, sairia do papel e as obras iniciariam até o final de 2017. O tempo passou e o início das obras foi jogado para até o final do primeiro semestre de 2018. O prazo passou e na metade do segundo semestre daquele ano, o edital de licitação sequer havia sido publicado.

Na reportagem daquela época, a assessoria do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), responsável pelo projeto, explicou que havia algumas questões burocráticas que tomaram mais tempo do que o previsto para serem resolvidas. Mais tarde, o projeto aprovado pela Caixa Econômica Federal e o edital de licitação saiu, até que as obras começaram em janeiro de 2019.