Rafael Greca, prefeito de Curitiba, foi questionado por uma seguidora nas redes sociais a respeito da lotação dos hospitais da cidade, que emitiram nesta semana comunicados sobre o não recebimento mais de pacientes com covid-19 por causa da lotação. “E os hospitais lotados, emitindo nota de que estão cheios, e agora?”, indagou a seguidora.

+Leia mais! Como será a vacinação contra a covid-19 no Paraná após liberação da vacina?

Em resposta, Greca citou o decreto que suspende as cirurgias eletivas nos hospitais públicos e particulares de Curitiba e ainda falou dos leitos disponíveis para o tratamento da doença.

“Para não ter que fechar a Cidade: ativamos 94 leitos para atender os pacientes de covid-19, sendo 41 leitos de UTI SUS: mais 6UTIs no Hospital Vitória, mais 10 no Hospital do Idoso, mais 10 UTIs no Hospital Evangélico Mackenzie, mais 10 UTis no Hospital de Clínicas e outros cinco UTIs na Santa Casa”, explicou o prefeito.

Segundo ele, os novos leitos de enfermaria estão distribuídos da seguinte maneira: cinco na Santa Casa, 10 no Hospital das Clínicas e 38 no Hospital do Idoso. “Além disso, a UPA Fazendinha terá a suspensão temporária de atendimento por busca direta. A UPA Fazendinha passa a ser retaguarda de leitos clínicos para o Hospital Municipal do Idoso”, disse.

Greca citou ainda a reabertura por parte do governo do Paraná de 38 leitos no Hospital de Reabilitação e que os responsáveis da Rede Hospitalar Privada e do SUS metropolitano também trabalhem nessa ampliação de leitos. “Não é bom o ruído de informação agora. Peço maior sintonia e cautela”, alfinetou Greca.