A Secretaria Estadual de Saúde do Paraná (Sesa) e a Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba (SMS) já têm um plano de contingência para o coronavírus.Além de um grupo de especialistas, a Sesa também já tem definido oito hospitais no estado para serem referência no tratamento do coronavírus.

O planejamento das secretarias de saúde já estava em vigor antes da confirmação do primeiro caso da doença no Brasil – nesta terça-feira (26), o Ministério da Saúde confirmou a infecção em um paciente de São Paulo que veio da Itália, o país com mais casos do coronavírus na Europa. No Paraná, mais um caso foi descartado nesta quarta: um morador de 50 anos da cidade de Guaíra, no Oeste, que esteve na Itália deu negativo no exame para coronavírus.

De acordo com o Ministério da Saúde, há 20 casos de coronavírus sendo acompanhados no Brasil até esta quarta-feira (26.)A doença já matou mais de 2,7 mil pessoas na China e avança pela Europa. Só na Itália, foram 11 vitimas fatais até esta quarta.

VEJA TAMBÉM – Afinal, pessoas sem sintomas de coronavírus precisam usar máscaras?

O grupo de contingenciamento do coronavírus no Paraná reúne 16 áreas de atuação da Sesa e organiza as ações e as informações sobre a situação de possíveis casos e notificações no estado. O Comitê de Operações de Emergência (CEO) é coordenado pelo Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde do Paraná (CIEVS/PR).

“Estamos em alerta para a situação de emergência de saúde pública e de importância internacional. A finalidade da resolução é reduzir os potenciais impactos do evento, por meio de uma resposta coordenada, eficaz, eficiente e oportuna”, afirma o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

As ações fazem parte de um documento oficial do Governo que define atendimento em situações de emergência em relação à circulação do vírus. A ideia é implantar rapidamente a assistência ao paciente, vigilância epidemiológica e dar prioridade também nas informações oficiais para evitar a propagação de informações falsas, as fake News.

São considerados suspeitos e devem procurar as unidades de saúde pessoas com crise respiratória, incluindo febre, tosse e dificuldade para respirar, e que apresentam histórico de viagens para áreas de transmissão – China e, agora Itália, entre outros países – nos últimos 14 dias. Também devem procurar a saúde pública quem teve contato próximo com pessoas e casos suspeitos ou confirmados da doença.

Hospitais de referência

A rede estadual do Paraná conta com 60 hospitais para urgência e emergência. Desta rede, oito hospitais estão confirmados como estratégicos para o atendimento de possíveis casos.

LEIA MAIS – Como o coronavírus é transmitido e qual é o tratamento para o novo vírus?

Em Curitiba, a unidade referência para o tratamento do coronavírus é o Hospital do Trabalhador, no bairro Portão. Nas outras regiões do Paraná, as unidades são: Hospital Universitário do Oeste do Paraná e Hospital de Ensino São Lucas, em Cascavel; Hospital Universitário da Região Norte do Paraná, em Londrina; Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá; Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais, em Ponta Grossa; Hospital Municipal de Foz do Iguaçu Padre Germano Lauck e Hospital Regional de Maringá.

Curitiba

Na tarde desta quarta-feira (26) a prefeitura de Curitiba informou que apesar de não existirem casos suspeitos na cidade, as medidas preventivas continuam valendo. Na sexta-feira (28) e segunda-feira (2), uma nova rodada de treinamento deve ser feita com profissionais de saúde da rede pública e privada pela Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (SMS). Desta vez, o tema será sobre o uso de equipamentos de proteção individuais (EPIs).

Desde o início do ano até o momento, segundo a secretaria, cerca de 800 profissionais de saúde de Curitiba já receberam treinamento em relação a nova doença, com orientações e fluxos de atendimento em casos de suspeita. “A capacitação e a atualização fazem parte do plano de enfrentamento para situações como essa, do coronavírus”, explicou a secretária municipal da saúde, Márcia Huçulak. “É importante estarmos preparados para quando o vírus chegar. E a SMS está trabalhando fortemente nisso”, afirmou.

LEIA AINDA: Risco de falta de produtos chineses para a saúde preocupa o governo brasileiro

Além dos reforços dos treinamentos, o Comitê Municipal de Resposta às Emergências em Saúde Pública está acionado desde o fim de janeiro para a discussão do manejo do novo vírus. Integram o grupo representantes de mais de 40 instituições governamentais e não governamentais. Entre eles, membros dos conselhos regionais de Medicina, Enfermagem e Farmácia, Sociedade Paranaense de Infectologia, e também representantes dos hospitais, além dos órgãos públicos municipais e estaduais da saúde.

A SMS também informou que está acompanhando, junto ao Ministério de Saúde e autoridades internacionais da área, as atualizações constantes sobre o vírus.

Como prevenir o coronavírus

  • Lavar as mãos com frequência, ou utilizar álcool 70%, principalmente antes de consumir algum alimento.
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal.
  • Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir.
  • Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca, higienizar as mãos após tossir ou espirrar.
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas.
  • Manter ambientes bem ventilados, evitar contato próximo com pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença. 
  • Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.
  • Pessoas com sintomas de infecção respiratória aguda devem praticar etiqueta respiratória (cobrir a boca e nariz ao tossir e espirrar, preferencialmente com lenços descartáveis e após lavar as mãos).