O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, manifestou preocupação com uma possível redução no fornecimento de insumos do setor de saúde produzidos na China. A epidemia do novo coronavírus aumentou a demanda por materiais como imunoglobulina e máscaras no país asiático, epicentro da doença e ao mesmo tempo fornecedor desses produtos para o resto do mundo. No Brasil, o primeiro caso do novo coronavírus (Covid-19) foi confirmado nesta terça-feira (25). 

“(A situação) preocupa porque o mundo passou a ter a China como supplier (fornecedor). Estamos trabalhando como nossa indústria para que se possa abastecer”, disse o ministro da Saúde, em coletiva de imprensa nesta quarta-feira, 26.

+Viu essa? Coronavírus: perguntas e respostas sobre o novo vírus

A imunoglobulina, destacou, é um dos fatores de preocupação, mas há fornecedores em outros países para os quais o País pode recorrer.

No caso de máscaras, há uma forte demanda na própria China, o que poderia comprometer o abastecimento do produto em outros países.

“Estamos vendo como abastecer com sustentabilidade o nosso país”, declarou Mandetta.