Bicicletas equipadas com sensores que detectam a presença de fuligem (black carbon) e outros materiais particulados no ar começarão a circular na região central de Curitiba a partir da próxima segunda-feira (1º de agosto). Elas fazem parte do projeto de monitoramento da qualidade do ar de Curitiba – ParCur, que reúne instituições governamentais e de pesquisa de Curitiba e da Suécia. O objetivo é mapear e medir as emissões de material particulado e avaliar seus impactos na poluição do ambiente na capital e região metropolitana.

“Temos uma grande expectativa em relação às informações geradas por este projeto, pois seus resultados serão importantes na elaboração de políticas públicas para reduzir as emissões e melhorar a qualidade do ar da nossa cidade”, destacou o secretário municipal de Administração e Planejamento, Fabio Scatolin. “Este projeto tem o mérito de integrar as universidades públicas e privadas nos esforços para melhorar a qualidade de vida da nossa cidade, em tema tão importante como o da mobilidade e o meio ambiente”, observou o professor Cezar Augusto Romano, diretor geral da UTFPR, durante o encontro com os responsáveis pela execução do ParCur, realizado nesta terça-feira (26) no Salão Nobre na Prefeitura de Curitiba.

Segundo professora Patrícia Krecl, doutora em Ciências Ambientais pela Universidade de Estocolmo e coordenadora da atividade de monitoramento do ar por bicicletas, haverá quatro rotas distintas na região central da cidade: dois trajetos de vias calmas e outros dois fora delas. “A ideia é ter parâmetros de comparação entre os dois ambientes”, explicou.  A estratégia, disse ainda, é transitar em períodos da manhã e da tarde, especialmente nos horários de pico, visando detectar nos níveis de materiais particulados em geral (identificados como MP 2,5), onde se inclui a fuligem.