A implantação do Ligeirão Norte-Sul – que deve ligar o Terminal Santa Cândida à estação Bento Viana, no Batel, ainda no primeiro semestre de 2018 – preocupa os moradores do entorno da Praça do Japão, que será circulada pelos biarticulados e sofrerá algumas alterações devido à mudança. Um abaixo-assinado eletrônico foi organizado pela comunidade nos últimos dias e, até a manhã desta sexta-feira (9), contava com quase 2 mil assinaturas. Além disso, o Conselho de Segurança do Batel (Conseg-Batel) entrou com um pedido no Ministério Público do Paraná (MP-PR) para reabertura de uma ação civil pública que garanta que qualquer alteração na praça seja feita mediante aprovação em audiências públicas.

A manifestação online foi organizada pela cartorária aposentada Aray Gracia, de 55 anos, que teme pela estrutura da praça. “Os biarticulados são muito grandes, então não conseguem circular a praça do jeito que ela está. É possível que cortem árvores e que até destruam um dos lagos. Nós não queremos isso”, pontuou.

Assim como ela, a educadora ambiental Rosangela Diniz, 60, também vê com receio as mudanças. “Sabemos que a linha vai ajudar milhares de pessoas, mas ela deve acontecer com o menor impacto possível, e isso precisa ser estudado com muito cuidado”, solicitou.

Segundo o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), os moradores podem ficar tranquilos, pois a estrutura da praça não sofrerá alterações. De acordo como órgão da prefeitura, será necessário apenas uma correção geométrica na via que permitirá ao Ligeirão realizar o retorno no local e compartilhar, temporariamente, a pista de veículos na Avenida Sete de Setembro.

A obra acontecerá no triângulo de ligação entre a Praça do Japão e a Avenida República Argentina, onde parte da área será retirada para a passagem dos ônibus. Com a mudança, a Feira dos Orgânicos que acontece toda quinta-feira no espaço mudará de lugar. Além disso, o estacionamento de carros será proibido ao redor da praça e o ponto de taxi também será transferido para as proximidades.

A prefeitura ressalta que também não haverá instalação de novas estações-tubo na praça, pois o embarque e desembarque de passageiros ocorrerá nos mesmos tubos que já atendem as outras linhas que passam pelo trecho. Elas estão localizadas na Avenida Sete de Setembro, a cerca de 250 metros da praça.

Implantação do Ligeirão Norte-Sul reacende debate sobre retorno na Praça do Japão