O carro do torcedor do Paraná Clube que foi levado por uma enchente no Rio Belém, em 9 de fevereiro, dia do jogo entre Paraná e Cianorte, na Vila Capanema, foi retirado “depenado” de dentro do rio, no último sábado (15). Segundo o proprietário do veículo, Leonardo Naldony, 23 anos, quando o guincho chegou, o veículo Gol estava sem as rodas, pneus, estepe, peças do motor, bateria e lanternas. As peças foram furtadas. No dia da enchente, o carro estava estacionado próximo ao estádio e foi arrastado pelas águas por cerca de dois quilômetros.

Leia também: Carro, é melhor comprar ou alugar? Não é opinião, é matemática

O proprietário, que é executivo de vendas, demorou em contratar o guincho porque aguardava receber o dinheiro de uma vaquinha online organizada pela torcida do Paraná Clube. Desde o dia 9 deste mês, quando uma chuvarada atingiu Curitiba, o veículo esteve dentro do Rio Belém, aguardando ser retirado. Segundo Leonardo Naldony, o guincho custou R$ 700. De acordo com o proprietário, o Gol não tinha seguro.

Agora, Naldony pretende vender o que restou do carro para empresas de ferro velho. “Será mais uma dor de cabeça. Tenho que dar baixa no Dentran e pagar todas as taxas. Já deixei o carro numa loja para fazer uma avaliação do que pode ser aproveitado”, contou.

Chuvarada

O temporal de cerca de 33 milímetros, segundo dados da Somar Meteorologia, que atingiu Curitiba, no horário das 17h às 20h do dia 9, provocou um alagamento nas proximidades da Vila Capanema, onde acontecia o jogo entre Paraná Clube e Cianorte, pelo Campeonato Paranaense 2020.

+ Leia mais: Hospital Veterinário da UFPR atende com carinho todos os tipos de animais

Durante o intervalo da partida, os alto falantes da Vila Capanema chegaram a alertar os donos de veículos estacionados sobre o alagamento na região. A orientação era para que os carros fossem retirados do estacionamento, o que levou muitos torcedores a abandonar o jogo.

Nesse momento, o Gol de Leonardo Naldony foi levado pela água e parou apenas ao esbarrar contra a estrutura de uma ponte. Segundo a prefeitura de Curitiba, o alagamento ocorreu às margens do Rio Belém, que passa ao lado do estádio. Equipes da Defesa Civil e Guarda Municipal foram acionadas para atender a situação.

Ainda de acordo com dados da Somar Meteorologia, a quantidade de chuva naquela tarde e noite representou 20% da chuva esperada para todo o mês de fevereiro na cidade.