Com as manifestações que promovem aglomeração proibidas em Curitiba por ordem judicial, a Associação Brasileira de Bares e Casas Noturnas (Abrabar) encontrou uma forma de gosto bastante duvidoso de chamar a atenção para a crise no setor provocada pela pandemia de coronavírus.

Desde a manhã deste sábado (4), o presidente da Abrabar, Fábio Aguayo, promove manifestações relâmpago na cidade. Primeiramente reuniu meia dúzia de pessoas na frente da Prefeitura de Curitiba e depois seguiu para a frente ao Hospital Universitário Evangélico Mackenzie, no Bigorrilho. Lá, para simbolizar, segundo ele, um pedido de socorro. colocou cruzes no gramado em frente à instituição.

+ Leia mais: Prédio desaba na região de Curitiba deixa cinco feridos nesta madrugada de sábado

As cruzes em frente ao Evangélico foram colocadas no gramado da Praça Alfredo Andersen. Fitas presas a elas continham o nome de empresas que estariam precisando de ajuda. Já personagem do Pânico, simbolizando “a morte”, segurava cruzes que simbolizam empresas do setor que já fecharam por causa da crise.

De acordo com Aguayo, a intenção do protesto é mostrar para a sociedade as dificuldades que as categorias de gastronomia e entretenimento vem enfrentando desde o início da pandemia do novo coronavírus. “Não estamos montando acampamento, mas simbolicamente as chaves dos empreendimentos já fechados e que a morte não chega só para quem tem covid, chega para todo mundo. A fome também mata”, disse à RPC.

+ Veja também: Beto Preto descarta flexibilização e pede: “Temos que ter bom senso”

Segundo Aguayo, serão várias manifestações como essa ao longo do dia. “Infelizmente, a prefeitura cassou o nosso direito de se manifestar. Mas estamos aqui, em frente ao pronto-socorro, justamente para pedir socorro”, disse. Aguayo também pediu apoio para o poder público em forma de linhas de crédito. “O nosso setor precisa de apoio do poder público. Deem linha de crédito, isenção de impostos. Nós precisamos manter os empregos, as empresas, as famílias. Empresário também passa fome”, complementou.

Além do pedido do setor para abertura de linhas de crédito, os empresários querem uma alternativa para o adiamento do 13.º salário dos trabalhadores.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?


[ifr