O jornal oficial do governo cubano anunciou hoje que os meios de combate do país estão preparados para enfrentar uma eventual agressão militar dos Estados Unidos. O Granma destacou o compromisso com a defesa nacional declarado por duas empresas militares cubanas e atos de apoio a Raúl Castro, que assumiu o comando do país na segunda-feira em lugar do irmão, o presidente Fidel Castro, afastado da presidência pela primeira vez em 47 anos para se submeter a uma cirurgia. Hoje não foram divulgadas mais notícias sobre a saúde de Fidel.

Ontem o governo cubano divulgou um comunicado assinado por Fidel informando que sua saúde é estável. O presidente fez uma cirurgia de emergência no intestino. No documento lido por um locutor da televisão estatal, Fidel admitiu que a operação foi delicada. "Não posso fabricar boas notícias. Minha saúde é estável, sinto-me bem e estou de bom humor", comentou.

Na terça-feira, o presidente norte-americano, George W. Bush, disse que os EUA têm "uma via melhor" a oferecer aos cubanos depois da morte de Fidel. "Se Castro morrer de causas naturais, nós temos um plano para ajudar o povo de Cuba a entender que há uma via melhor do que o sistema sob o qual tem vivido", afirmou.