No prazo máximo de 60 dias, a Controladoria-Geral da União deverá concluir auditorias específicas sobre as licitações e contratos para a aquisição de hemoderivados e outros medicamentos no Ministério da Saúde. A informação é do controlador-geral da União, Waldir Pires.

Segundo ele, 18 auditores foram mobilizados para a investigação. ?Nós instituímos esse grupo de trabalho para fazer uma auditoria profunda, sobre todo o dinheiro que foi aplicado nesses medicamentos hemoderivados e também em outros?, afirmou o controlador-geral, em entrevista à Agência Brasil.

Waldir Pires disse ainda que, conforme os desdobramentos da auditoria, a apuração poderá ser estendida a contratos firmados antes da gestão atual. ?O nosso propósito é fazer o máximo que for possível. Na linha de que, onde houver intercomunicação sinalizando que a fraude está vindo de mais longo tempo, vamos fazer isso [a auditoria], porque é um saneamento que precisa ser feito?, avaliou.

O controlador destacou ainda que as auditorias estão sendo realizadas a pedido do ministro da Saúde, Humberto Costa, que também havia pedido à Polícia Federal que investigasse as irregularidades. A estimativa é que só o esquema de fraudes na licitação para a compra de hemoderivados teria desviado dos cofres públicos cerca de R$ 2 bilhões entre 1990 e 2002 .