A decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-PR) não resolveu a situação dos 2.500 funcionários da Volswagen-Audi. A indefinição ocorre porque até o momento a direção da Volks não se pronunciou se vai ou não acatar a decisão do Tribunal. “Os trabalhadores tiveram que retornar imediatamente ao trabalho e enquanto isso a empresa tem o prazo médio de 15 dias até a publicação do resultado do julgamento em Diário Oficial, mais 8 dias para recorrer”, afirmou Sérgio Butka, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos. Butka lembrou ainda que a decisão acaba cerceando o direito constitucional de greve dos trabalhadores, já que foi determinado multa diária de R$ 500,00 por funcionário que não retornasse às atividades.

Se a empresa optar por recorrer ao Supremo Tribunal, a definição da situação dos trabalhadores pode estar ainda mais longe. “Esperamos o bom senso da empresa em respeitar a decisão da justiça do Paraná. Não ocorrendo, os trabalhadores não podem passar meses aguardando decisão federal”, alertou Butka.

Caso semelhante aconteceu com os trabalhadores Cavo, empresa de limpeza pública em Curitiba. Os funcionários entraram em greve no dia 05 de abril, a paralisação foi a julgamento e embora as reivindicações tenham sido contempladas, até agora os funcionários não receberam nada do que foi determinado pelo Tribunal. Isso porque ainda não houve a publicação oficial.

Para não ficar nessa pendência os metalúrgicos de Curitiba deram prazo até quarta-feira para a empresa manifestar posicionamento sobre a decisão do TRT. No dia 19/05, na troca de turno, será realizada assembléia que pode decidir novas paralisações na produção da montadora.