Brasília – Países europeus vão investir cerca de R$ 17 milhões na região da rodovia BR-163, de Cuiabá (MT) a Santarém (PA), que corresponde a cerca de 30% da região amazônica.

O investimento faz parte do acordo de cooperação entre a Comunidade Européia e o governo brasileiro, assinado nesta quinta-feira (21), para apoiar a produção sustentável e o fortalecimento da sociedade civil na região.

No início do próximo ano, segundo o secretário-executivo do Ministério do Meio Ambiente, Cláudio Langone, os recursos serão utilizados para a criação do primeiro Distrito Florestal do país, destinado a possibilitar o desenvolvimento econômico da região, regularizar o comércio de madeiras, gerar cerca de 100 mil empregos em quatro anos e preservar o meio ambiente.

Langone lembrou que até 2002 a região da BR-163 passava por um processo crítico de desmatamento e, com o acordo, a situação vai mudar: "Nós temos um conjunto de ações em implementação, como a criação de parques e reservas, a intensificação do combate ao desmatamento e o combate ao trabalho escravo ? um novo caminho para o desenvolvimento econômico e preservação do meio ambiente na região?.

A extração de madeira é outro setor que o investimento beneficiará. Dados do Ministério do Meio Ambiente apontam como ilegais 90% da madeira consumida no país e exportada.

Segundo Langone, os lucros vão aumentar com a venda de madeira certificada: ?Hoje nós teríamos oportunidade de mercado, principalmente na Europa, para produtos de madeira certificada com alto nível de lucratividade. Foram criadas barreiras na exportação de madeira ilegal que, apesar de serem corretas, impedem a comercialização do produto brasileiro. Por isso, a implementação do Distrito Florestal será uma forma de chegar à exportação desses produtos".

O Distrito Florestal na BR-163 servirá de exemplo para a criação de dois outros, já em planejamento, na região de Carajás e na da BR-319, que liga Manaus (AM) a Porto Velho (RO).