Pierre-Philippe Marcou/AFP

Cerca de 11.000 ingressos para a partida Argélia-Eslovênia e por volta de 8.000 para o jogo Grécia-Coreia do Sul foram vendidos, mas não utilizados, explicou nesta terça-feira a Federação Internacional de Futebol (Fifa), admitindo que havia espaços vazios nos estádios.

“Houve 11.000 lugares vazios durante a partida Grécia-Coreia do Sul (no dia 12 de junho em Port Elizabeth), dos quais 3.000 não tiveram seus ingressos vendidos”, ressaltou o porta-voz da Fifa, Nicolas Maingot. “Isto significa, portanto, que 8.000 lugares não foram ocupados”, destacou.

Já para Argélia-Eslovênia, no dia 13 de junho em Polokwane, todos os ingressos estavam vendidos.

A Fifa havia anunciado na segunda-feira que “estudaria a questão” dos lugares desocupados mesmo com os ingressos já tendo sido vendidos. “As razões? Isto está relacionado, sem sombra de dúvida, a problemas na distribuição dos ingressos, e aos meios de transporte que não funcionaram adequadamente. Estamos analisando este assunto”, afirmou o porta-voz.

“Reconhecemos isto! Havia muitos lugares vazios, mas o principal é que temos a segunda melhor média de público depois da Copa do Mundo de 1994, nos Estados Unidos: 53.019 de média aqui por enquanto, enquanto na Alemanha, em 2006, foi de 52.167 depois de onze partidas jogadas. A taxa de lotação dos estádios é boa e já alcança 92,5%”, disse.

“Não se pode tirar conclusões depois de apenas onze partidas. Estamos satisfeitos com estes números, apesar de não ser agradável ver lugares vazios” nos estádios, ressaltou Maingot.

Além disso, indicou que o valor dos ingressos não utilizados não será reembolsado.