Carnaval e corrupção

Triste a sina de um País carcomido pela péssima imagem de seus políticos e, em muitos casos, de ?empresários? de fachada que enriqueceram desviando dinheiro público para seus bolsos, infelizmente com a utilização de métodos desonestos e corruptores.

É a primeira vez que o fato terá lugar em um país fora da África, e o Brasil terá o insigne privilégio. Uma missão das Nações Unidas para Combate da Corrupção está negociando a vinda para cá, a fim de investigar de corpo presente o que se cochicha há anos no Primeiro Mundo.

A relatora especial da ONU, Christy Mbonu, fez contatos com autoridades do governo brasileiro sugerindo a vinda da missão em julho, mas foi aconselhada a deixar para depois de outubro, pois, afinal, estamos em ano eleitoral e ninguém resiste a um fenômeno dessa natureza na terra da banana nanica e do sol abundantes…

Diante de argumentos tão convincentes, a esforçada funcionária internacional tomou a sábia resolução de adiar a viagem para janeiro do ano que vem. E até lá, pode até ser que tenha optado por outro destino.

Decerto madame Mbonu se deixou impressionar pela leitura dos clássicos sobre a corrupção brasileira, como o relatório da Transparência Internacional, no qual se constata que a corrupção na versão cabocla faz aumentar o custo das obras públicas em pelo menos um terço.

Além do Carnaval, das praias e do futebol, o Brasil terá mais um motivo para se pavonear perante o mundo…

Voltar ao topo